Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Uma mulher ao serviço de um povo

por Causa Real, em 06.02.17

 

Hoje é um dia muito especial para várias nações: Reino Unido, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Jamaica, Barbados, Bahamas, Granada, Papua-Nova Guiné, Ilhas Salomão, Tuvalu, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Belize, Antígua e Barbuda e São Cristóvão e Nevis.

O que une todos estes países? O seu chefe de estado: a Rainha Isabel II.

 

Hoje, dia 6 de Fevereiro de 2017, a Rainha Isabel II torna-se a monarca viva há mais tempo no trono em todo o mundo.

Esta efeméride, com dimensões à escala planetária, diz muito deste “sacerdócio” que “Lilibet” assumiu aos 25 anos, após a morte prematura do pai. Parece que todos nós, independentemente da nacionalidade, fomos habituadas a ver Sua Majestade não só como Rainha dos Britânicos, mas também como se fosse a “nossa rainha”.

 

O seu reinado tem acompanhado várias gerações que a reconhecem como legítima representante dos seus povos. Legitimidade que se fundamenta no seu sangue e no Parlamento, mas, como se não bastasse, também na forma exemplar como tem exercido a sua missão.

 

Pessoa integra, com desprezo pelo escândalo e mexerico, e com uma determinação extraordinária no cumprimento do dever. Dedicou toda a sua vida, que passou por várias amarguras, ao serviço, aceitando desde cedo o testemunho que o pai lhe passaria. Podemos questionar se tinha outra alternativa. Tinha. O seu tio teve.

Isabel II quis o trono, qual cadeira de serviço, sabendo que enfrentaria as maiores dificuldades. Não as negou. Tinha um povo para defender e servir.

Estas características, a sobriedade e dedicação, fascinam homens e mulheres de todas as idades e tempos, de todas as partes do mundo.

 

É provável que aqueles que estão condenados a viver em república, como nós, sintam mais afinidade com esta Rainha, uma vez que nos seus países não conseguem ter uma referência de estabilidade e um reduto moral, porque todas as instituições estão sujeitas ao desmando da “oligarquia” política.

A falta que nos faz uma Rainha assim…

 

Decidiu passar o dia na residência de Sandringham, onde o pai, George VI, morreu prematuramente há 65 anos. É assim que faz sempre. Como a Casa Real recordou: o dia “não é de festejos”.

É esta humanização que torna a “chefia de estado Real” tão próxima dos cidadãos. O dia da morte de um familiar, principalmente quando prematura, é sempre recordado com saudade em qualquer família. Na Família Real Britânica também é assim.

Naturalmente que há festejos um pouco por todos o país para celebrar o Jubileu de Safira da monarca, como as tradicionais salvas de canhão, mas a marca mais forte deste dia é o amor de pai e filha, inseparável do amor pela pátria, eternizado pelo belíssimo colar de safiras que George VI ofereceu a “Lilibet” no seu casamento (pode ser visto na fotografia oficial do Jubileu).

 

Diogo Tomás Pereira

Membro da Comissão Executiva da Causa Real

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Quem somos?

Bem vindo ao Blog daCausa Real, um contributo para discussão de um Portugal com futuro. A Causa Reall coordena, a nível nacional, o movimento monárquico, tendo como objectivo principal a promoção de uma alternativa política para Portugal.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D