Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ainda a jihad republicana e os suicidas

por João Távora, em 28.05.15

JACarvalho.jpg

 

No dia da inauguração do Museu dos Coches, a TVI transmitiu o telejornal a partir do tal museu. Problema? O final deste telejornal especial funcionou como uma legitimação do assassínio enquanto arma política. Depois de mostrar os orifícios que as balas de Buíça deixaram no coche do Rei D. Carlos, o pivot José Alberto Carvalho considerou que o regicídio (1908) é apenas “uma data considerada funesta pelos monárquicos”. Ficámos assim a saber que o assassínio de D. Carlos e de D. Luís Filipe não deve inquietar mais ninguém a não ser os monárquicos, esse bando de reaças inconsequente; ficámos assim a saber que os outros, os bons, os justos, os não monárquicos, não devem sentir culpa ou horror pelo assassínio do rei e pela instauração de um clima de medo e violência que durou até 1926, ou melhor, que durou até 1974. Como se isto não fosse suficiente, José Alberto Carvalho prosseguiu com a canonização de Manuel Buíça, o assassínio elevado a sonhador e, coitadinho, pai extremoso. O responsável pela informação da TVI leu a carta-testamento de Buíça; nessa missiva, o assassino pedia a familiares e amigos que educassem os seus filhos órfãos segundo os princípios da Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Não satisfeito este altar carbonário e maçónico, José Alberto Carvalho estabeleceu ainda uma ligação entre o sonho de Buíça e o sonho de hoje: “E ainda hoje curiosamente mais de um século depois, estes princípios republicanos e humanitários são ainda objecto de debate. O que queremos e o que estamos dispostos a fazer pelos nossos jovens é o tema de um debate na TVI 24 (...) Está sempre tudo por dizer em relação ao sonho e à mudança”.

Vou deixar de lado a hipótese do incentivo directo à violência política.  Vou apenas falar de uma curiosa tendência: os defensores da Liberdade e Igualdade em abstracto têm o estranho hábito de matar a liberdade e a igualdade concreta de pessoas concretas. Em 1908, a monarquia constitucional portuguesa era semelhante às suas congéneres europeias. Vivíamos em liberdade. Buíça e demais jagunços do PRP podiam escrever e dizer o que bem quisessem, podiam concorrer a eleições, até podiam conspirar abertamente nos cafés de Lisboa. O sonho de Buíça podia e devia ter sido canalizado através das armas da liberdade, jornais e parlamento. Buíça recorreu à violência porque os nossos republicanos, como se viu entre 1910 e 1926, não toleravam o jogo parlamentar, não toleravam opiniões contrárias, queriam um regime que fosse propriedade privada da sua ideologia radical. E assim foi.  D. Carlos e D. Luís Filipe foram apenas as primeiras vítimas mortais da jagunçada republicana: seguiram-se padres em Lisboa e anarquistas no Alentejo, entre outros. Tal como os salazaristas, os buíças recorreram ao assassínio, ao espancamento, à purga violenta de jornais, à repressão de greves e cortaram para metade o número de pessoas com direito a voto. Não, a I República não foi republicana no sentido correcto e kantiano do termo. A I República foi a primeira experiência autoritária e violenta do nosso século XX, irmanando com a II República (Estado Novo) e não com a nossa III República.

No fundo, José Alberto Carvalho procurou idealizar uma monarquia ditatorial que encaixasse neste conto de fadas revolucionário: a monarquia, ora essa, não passava de um simulacro de Estado Novo, um salazarismo sem Salazar, portanto, o golpe de 1910 foi uma espécie de primeiro 25 de Abril e o assassínio de D. Carlos correspondeu à legítima eliminação do Salazar monárquico. Das duas, uma: ou José Alberto Carvalho não sabe ou José Alberto Carvalho é um radical com carinha de anjo. Ou não sabe que a I República foi uma experiência política violenta e inimiga das liberdades e, por isso, deixou-se levar por uma cantilena que tem tanto de ignorância como de boa vontade pronto-a-vestir; ou conhece a história e de forma consciente defendeu um bando radical que não hesitava em recorrer ao assassínio enquanto forma de acção política. Ou seja, aquele telejornal foi um momento de ignorância confrangedora ou um momento de radicalismo inaceitável. 

 

 "J. A. Carvalho, ignorância ou radicalismo" - Henrique Raposo Expresso Diário, terça feira

Autoria e outros dados (tags, etc)

A propósito de reformas do sistema político

por João Távora, em 08.04.15

RAP1101_023.JPG

A propósito deste interessante artigo de Manuel Vilaverde Cabral sobre a presidência da república e a reforma do sistema político em Portugal, e no que refere ao embaraço que representa o actual modelo de Chefia de Estado, convém ressalvar que, sendo a democracia pela sua natureza um sistema autofágico que vive do híper mediatizado e permanente conflito de facções e interesses, ela expõe as instituições nacionais a uma sistemática e perigosa erosão. Por isso requer este regime um órgão de soberania acima de todas as questiúnculas, capaz de, no topo da pirâmide, representar e congregar todas as partes da Nação. Uma instituição que, por ser hereditária, não tomou partido por qualquer facção nem depende de interesses políticos ou económicos. Essa instituição é o Rei, que tem a capacidade de consolidar o sistema, como o comprovam os exemplos dos países mais evoluídos e livres da Europa que são monarquias. De resto, Portugal tem o privilégio de uma Nação com quase 900 anos que possui uma incontestada Casa Real com comprovados pergaminhos no que respeita ao que é mais importante – o amor à Pátria.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A monarquia é útil e relevante no Século XXI

por Luis Lavradio, em 25.06.14

A Causa Real defende a restauração da Instituição Real para Portugal porque acreditamos nos seus benefícios para o nosso País e para as suas gentes. Se fossemos suíços ou americanos a nossa posição seria provavelmente outra. No entanto, as monarquias modernas partilham um conjunto de vantagens facilmente demonstráveis e dificilmente replicáveis por sistemas com uma chefia de estado electiva.

 

Num recente artigo no "The Diplomat" aqui, um especialista em geopolítica e segurança do Médio Oriente e da Asia Central e do Sul sublinha algumas dessas questões, embora de uma forma superficial. Não serão certamente novidade para a larga maioria dos nossos leitores, mas é um ponto de vista extra-europeu raro sobre a instituição monárquica e de grande interesse para quem, como nós, desconhece os detalhes da realidade política, económica e social das monarquias fora da esfera ocidental.

 

Começa por constatar que ao contrário daqueles que argumentam o anacronismo e inutilidade da instituição monárquica e a sua inevitável substituição pela república (que, note-se, não é nenhuma invenção da modernidade...), as monarquias exercem um papel de grande valor na actualidade. De tal forma, argumenta, que o seu número deve ser aumentado e não diminuído (sendo o caso do Afeganistão uma clara oportunidade perdida), posição sustentada por uma análise objectiva dos seus méritos. Destes, enumera seis, havendo outros ainda que não aponta:

  1. Um monarca está acima da luta política, o que lhe confere uma independência e uma representatividade que um chefe de estado eleito não consegue nem pode ter;
  2. Em situações factícias, como é o caso da Tailândia onde os golpes de estado se têm multiplicado, a monarquia é possivelmente a única instituição que mantém o país afastado da guerra civil. Há exemplos menos extremos mas igualmente relevantes na Europa - caso da Bélgica ou de Espanha - onde a Coroa é o grande factor unificador do país;
  3. Uma chefia de estado hereditária actua como bloqueio à ânsia desenfreada do poder político e é um factor de estabilidade política. A simples existência do Rei, mesmo que sem poder político, é por si só um forte impedimento ao desenvolvimento de extremismos. Dá-se o exemplo do Camboja (que voltou a ser uma monarquia em 1993) e, mais próximo de casa, de Marrocos e da Jordânia que, ao contrário das suas congéneres do norte de África, têm conseguido uma transição pacífica, faseada e comunal na democratização dos seus respectivos países. Aliás, podemos olhar também para transição do nosso vizinho. Winston Churchill, para quem tanto os abusos de Stalin na União Soviética como de Hitler na Alemanha aparecem como consequência do vazio monárquico, realçou este facto;
    Os Reis da Jordânia
  4. A representatividade intemporal do monarca, e as suas limitações e obrigações constitucionais, dão-lha a autoridade moral e o prestígio para tomar atitudes em prol da nação, por vezes contra o interesse de determinadas correntes políticas;
  5. A instituição real é um factor de continuidade, e o Rei a personificação das tradições, da cultura, da história (e acrescentaria também das aspirações) de toda uma nação;
  6. O Rei é chefe de estado por um mero acidente de nascimento, ninguém o escolhe e ninguém sabe quem será. Nesse aspecto, qualquer um pode ser Rei. Akhillesh Pillalamarri recorda assim as palavras do historiador canadiano Jacques Monet: "deixando a selecção do chefe de estado a este, o denominador mais comum de todos - a casualidade do nascimento - os canadianos proclamam implicitamente a sua fé na igualdade humana". Naturalmente, quem quer que seja é sempre preparado, desde nascença, para o lugar que lhe está reservado por lei.

 

Acaba notando que as críticas que são levantadas contra o sistema monárquico deixaram de ter qualquer validade, se é que alguma vez o tiveram, explicando que a maior parte das monarquias funcionam dentro das limitações e com o seu poder constrangido por uma constituição ou pelas tradições e costumes de um determinado país. Mesmo as monarquias absolutas em teoria, nunca o foram na práctica.

 

O mais interessante deste artigo não é a apologia da monarquia que faz, pois a autor fá-la de forma demasiado leviana, mas a forma como o sistema monárquico é abordado. Não como uma teoria política abstracta que procura realizar uma utopia terrestre (no fundo, aquilo que vendiam os republicanos há um século atrás), mas constatando que é um instrumento político que serve, de facto e com eficácia, o bem público e as aspirações e liberdades do homem numa multiplicidade de países e regiões. 

 

Face ao fracasso da nossa experiência republicana, mantemos que está na altura de repensarmos o regime e que a hipótese de uma restauração monárquica tem de estar patente como uma real alternativa viável para Portugal. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Qual crise de regime?

por Luis Lavradio, em 04.05.14

Numa recente entrevista à TVI (da qual apenas passaram os 3 ou 4 minutos menos relevantes), defendi o aparentemente indefensável - a permanência da instituição real espanhola. Insistia a minha simpática interlocutora que após os embaraços paquidérmicos, as notícias de infidelidade conjugal, e os problemas da Família Real com a justiça, o povo espanhol estaria a clamar pelo fim da monarquia. Como evidência da crise apontava as fracas sondagens em sua defesa, os distúrbios populares e as demonstrações nacionalistas e anti-monárquicas na Catalunha, reiterando a posição de muitos dos nossos "democrátas", desejosos de uma Espanha laica e republicana. São sintomas parecidos com aqueles sofridos actualmente pela grande maioria dos países ocidentais. Mas parecia teimosia minha.

Em 1975 Espanha era um país pobre, com a memória ainda viva de uma horrenda guerra civil e de um prolongado período de autoritarismo. Em 35 anos transformou-se numa democracia plena, moderna e numa referência mundial a nível económico, cultural, e mesmo desportivo. Se é indiscutível que a actuação do Rei foi indispensável para a sua metamorfose política de uma forma natural e pacífica, também não teria sido possível o sucesso espanhol em todos os campos sem uma estratégia verdadeiramente nacional e aglutinadora, assegurada pela autoridade, independência e estabilidade oferecidas pela Coroa.

 

 

As sondagens de 2013 mostravam o Rei com um apoio historicamente baixo, é verdade. (Ainda assim, no seu annus horribilis, mantinha uma popularidade superior ao dos seus congeneres republicanos). Mas mostravam também que 75% dos espanhóis apoiam o actual regime, com quase 80% a considerarem o Príncipe Felipe apto para assegurar a sucessão. O país afirma-se monárquico e não apenas "juancarlista". A crescente visibilidade republicana, à qual os nossos meios de comunicação social têm dado tanto importância, deve-se essencialmente à afirmação nacionalista dos povos catalão e basco. Estes entendem, e com razão, que uma República Espanhola facilitaria em muito a conquista da sua respectiva independência. Ou seja, não é um movimento contra o regime monárquico em si, mas contra a capacidade unificadora da Coroa!

 

O povo espanhol é livre, a qualquer momento, de pedir e votar a alteração do seu regime, liberdade democrática comum a todas as monarquias europeias e que nos é vedada pela nossa constituição. A Infanta Cristina, apesar de ser filha do Chefe de Estado, está a enfrentar a justiça nas mesmas condições de qualquer outro cidadão. A Coroa Espanhola recebe menos de €8 milhões por ano do erário público, metade da dotação dos €16 milhões da Presidência da República em Portugal. O regime, tal como nas outras monarquias ocidentais, longe de ser o mítico monstro antidemocrático, corrupto e desmedido, tem fomentado a democracia, a igualdade e a parcimónia.

 

As notícias recentes sobre a saúde e a actuação de Juan Carlos I vão dando razão à larga maioria dos espanhóis, e não podem ter sido mais oportunas para resfriar o ânimo dos republicanos mais enraivecidos da nossa praça!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Quem somos?

Bem vindo ao Blog daCausa Real, um contributo para discussão de um Portugal com futuro. A Causa Reall coordena, a nível nacional, o movimento monárquico, tendo como objectivo principal a promoção de uma alternativa política para Portugal.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D