Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Nos 200 anos da Revolução Liberal de 1820

por Causa Real, em 24.08.20

jo.jpg

 

Quando a Presidente da Causa Real, Teresa Côrte-Real, me endereçou o simpático convite de reflectir publicamente sobre os 200 anos da Revolução Liberal de 1820, não tive como recusar tão amável e importante gesto. A minha recusa não se prendeu com a presunção de achar que teria algo a acrescentar ao debate - até porque estou muito longe de ser um especialista no tema - mas antes por acreditar que os monárquicos têm o dever de servir a sua Causa sempre que a tal são chamados. Este dever é reforçado numa altura em que a instituição Real é posta em causa no nosso país vizinho, facto que motiva ainda mais ódio por parte de todos aqueles que convictamente nos dizem mortos, mas que parecem não dormir perante a simples suspeita de podermos estar apenas adormecidos. Como diria Miguel Esteves Cardoso, o mais desempoeirando monárquico das últimas décadas, “os monárquicos são o maior partido clandestino existente em Portugal”. E os republicanos sabem disso, acrescentaria eu.

 

Há duas grandes lições que devemos guardar de 1820. A primeira é que toda e qualquer ajuda externa traz consigo uma implícita machadada na nossa independência. Assim foi em 1807 quando requisitámos a ajuda do império britânico para combater as tropas napoleónicas, assim foi em 2011 quando os estilhaços da crise norte-americana do subprime atingiram a nossa economia frágil e endividada, e assim será agora que uma inesperada pandemia pôs a nu uma débil recuperação económica demasiadamente alavancada no turismo. Em todos estes momentos, curiosamente, faltou-nos sempre um símbolo de união, serenidade e garante da Liberdade. Em suma, faltou-nos um rei.

 

Em 1807, as invasões motivaram a fuga do Rei e da sua corte para o Brasil. Em 2011, o Presidente da República faltou-nos enquanto garante da coesão social. Agora, o presidente - a que alguns até ousam chamar “presidente rei” - limita a sua atuação a uma política de show-off e gestão da sua imagem pública com vista à reeleição que se aproxima. A diferença basilar em todos estes momentos - saltando as óbvias diferenças históricas - é que no início do século XIX o povo conseguiu forçar o regresso do seu Rei, fazer eleições, conquistar o nosso primeiro texto constitucional e ainda fazer com que o Rei fosse obrigado a jurá-lo solenemente. Ou seja, o povo português provou naquela época algo que ainda hoje faz com que grande parte dos países desenvolvidos continuem a ser monárquicos: o monarca responde única e exclusivamente perante o seu povo, sendo eleito pela história e tendo a obrigação moral de dedicar toda a sua vida a servir a sua pátria. Será que em república as coisas funcionam da mesma forma? Obviamente que não e se a república quisesse demonstrar o contrário apenas teria que alterar o artigo 288º da CRP.

 

A segunda grande lição - pelo menos para nós monárquicos - é percebermos e sabermos defender o legado constitucional, democrático e liberal do regime que ousamos defender. Foi sob a égide da forma de governo monárquico que Portugal se abriu ao mundo e à democracia, foi ao lado da Coroa que nasceu o nosso parlamentarismo e foi graças à monarquia que tivemos a nossa primeira experiência constitucional. Curiosamente, a experiência republicana foi bastante diferente: um duplo regicídio, uma revolução que alterou a chefia de estado sem recurso a plebiscito, a desordem da primeira república, a ditadura militar, o Estado Novo e uma terceira república que nos tem empurrado sistematicamente para a cauda de desenvolvimento da Europa. 

 

Aprendamos agora a inspirar-nos na nossa História e tenhamos a ousadia de aproveitar a oportunidade histórica que as novas tecnologias, a comunicação e a rápida e clarividente alteração do mapa político nacional e internacional nos oferecem. Também nós podermos lançar para o debate as claras e óbvias vantagens de uma forma de governo em que o chefe de estado é um verdadeiro árbitro e moderador do jogo político, em vez de mais um mero jogador do mesmo. Porque embora os tempos sejam diferentes, também estes serão tempos de grandes revoluções.

 

João Gomes de Almeida

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Quem somos?

Bem vindo ao Blog daCausa Real, um contributo para discussão de um Portugal com futuro. A Causa Reall coordena, a nível nacional, o movimento monárquico, tendo como objectivo principal a promoção de uma alternativa política para Portugal.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D